Jogos Mentais

Título: Jogos Mentais

Páginas: 480

Autor: Teri Terry
Ano: 2015
Editora: Farol Literário
Sinopse: Em um mundo futuro, viver entre o universo real e o virtual é cotidiano. Todos os dias, as pessoas se plugam a uma realidade virtual, criada por uma poderosa empresa do governo, onde podem fazer tudo: se divertir, ir às compras ou estudar. Tudo sempre rigorosamente controlado. Luna, diferentemente de seus amigos e de sua família, não consegue se conectar por inteiro a essa dimensão, por isso permanece ao mesmo tempo nos dois mundos. Ser diferente nesse sentido, no entanto, acaba levando-a a fazer descobertas surpreendentes e assustadoras sobre essas realidades, que mudarão por completo os rumos de sua vida.

Oie pessoal! Tudo bem com vocês? E

ntão, finalmente as resenhas aos poucos estarão voltando para o blog! E a primeira que eu apresentarei aqui para vocês será do livro: Jogos Mentais.

Jogos Mentais foi escrito pela autora Teri Terry e lançado pela editora: Farol Literário, cortesia da mesma.

A obra em questão foi uma das melhores de Ficção que eu li esse ano. Como todos sabem, as minhas leituras estão paradas, pois leio pouco, mas o pouco que leio; surpreendo-me. Eu solicitei esse livro na curiosidade... Capa bonita, sinopse que prometia, e por que não tentar?

Ele nos apresenta um futuro distópico, onde pessoas recebem Implantes e vivem suas vidas no mundo virtual. Tudo lá é melhor que em qualquer lugar: sexo, comida, férias, inclusive nem é preciso dormir; somente viver.

A criadora desses mundos virtuais é a PareCo; uma corporação que se olhada por cima, aparenta ter as melhoras das intenções, como por exemplos: proteger os humanos, ajudá-los e aperfeiçoá-los para um futuro mais tecnológico do que eles já vivem. Infelizmente essa não é o real objetivo deles, e eles farão de tudo para conseguirem o que querem.

Nesse mundo distópico as pessoas são divididas em categorias, e aquelas que mais se sobressaem são os Hackers, os quais conseguem controlar e modificar suas Temporreais, coisas que aqueles que não são Hackers não conseguem.

Existem alguns personagens, cujas religiões não permitem a utilização dos Implantes e os Recusadores, que é o caso de nossa personagem principal Luna.

Luna é uma Recusadora, a qual não utiliza as PPI e não tem um Implante. Muitos acreditam que isso é uma consequência por causa da morte de sua mãe, mas ela guarda um segredo; a verdade por ser uma Recusadora.

Jogos Mentais é o tipo de livro que nos deixa com uma vontade enorme de gritar, arrancar os cabelos e dar uns sacode nos personagens.

Sabem quando sentimos que as coisas estão erradas na história, cheirando mal como diria o outro, mas não podemos fazer nada? Só aguentarmos a agonia até que alguma viva alma do livro desperte e faça alguma coisa. 

Pois é, foi assim que eu me senti em boa parte do livro. Luna por mais que fosse uma Recusadora, ainda tinha a mesma opinião formada de todos, de que a PareCo não era tão ruim quanto falavam.

Mas aos poucos, ela foi percebendo e descobrindo a verdade sobre a PareCo e sobre si mesma. Ela não era normal como todos; ela tinha algo de muito especial que despertou o interesse da Corporação sobre ela e isso fica provado no dia dos Testes.

Ela precisava para se manter a salvo; fracassar no teste de QI e QR, mas não importava o quanto ela se esforçasse para isso acontecer, pois seus resultados foram excelentes.

Foi aí que ela conheceu Gecko. Imaginem um personagem fofo e misterioso que me conquistou de primeira! Pois é, e para ajudar ele é a peça principal desse quebra cabeça entre P’Hackers e PareCo.

PS: não vou contar o que é um P’Hacker, mas podem ter certeza que o que eles são, definirá o destino de Luna.

É o tipo de livro que nos mostra que às vezes seguir as tendências não é a coisa certa, e às vezes nós estamos tão focados em sermos o que a moda dita, que não enxergamos a verdade embaixo de nossos narizes. 

E é exatamente isso que acontece com Luna. Ela fica dividida entre ouvir a razão e seguir o mesmo pensamento de todos, tanto Gecko, quanto a sua avó Nanna lhe mostraram a verdade, apontando o caminho certo, mas ela era tão teimosa que acabava não enxergando a verdade. Demorou para cair a ficha dela.

Alem do mais, este é um livro cheio de antagonistas mascarados de mocinhos, cheio de mentiras mascaradas de verdade, muitas vezes não sabiam em quem confiar, ou no que.

Sofri muito lendo esse livro, afinal cada página era uma tortura nova, eu tinha vontade de gritar na cara da Luna: você é muito tonta Mina! A verdade está debaixo do seu nariz, mas como eu não podia simplesmente seguia lendo.

E galera; chegar ao final desse livro e ver o que a PareCo estava planejando para as pessoas foi chocante! É o tipo de coisa que só um monstro conseguiria pensar... Imaginar aqueles tanques cheio de cérebros, e saber do quem eram e para o que serviam me arrepiaram.

Teri Terry construiu e elaborou muito bem esse livro. E a leitura dele me fez sentir dentro de um filme de Ficção Cientifica. Como sentir na pele o deslumbramento dos personagens em relação aos mundos virtuais e imaginar como é o Temporreal. E saber que as pessoas preferiam o virtual ao real é muito chocante. Eu não consigo entender como as pessoas preferem um abraço, beijo virtual ao real!

Não é a mesma coisa, nunca vai ser, por mais que os Implantes fazem com que eles vivam as experiências num modo bem real, não consigo entender como elas abririam a mão de todas as coisas reais da vida.

Sei que estou muito enferrujada em relação a escrever resenhas, sinto isso toda vez que me sento em frente ao notebook e preparo algo para vocês, mas acho que consegui trazer um pouco da essência desse livro. Como eu disse; a leitura do livro faz com que a gente entre de cabeça num filme, e saia de lá completamente chocado e indignado. Pelo jeito que o livro terminou, sinto que virão mais por aí, e estou ansiosa para saber o que acontecerá de agora adiante com a Luna, como as coisas ficaram, e se as pessoas continuaram achando depois de tudo que seguir uma tendência, como trocar o real pelo virtual é melhor do que tudo que temos na vida.

Sinceramente, sinto medo que esse livro reflita nosso futuro, não digo em relação à PareCo, mas sim em relação aos Implantes, nossas vidas já estão tecnológicas, vivemos ela dia a dia, poucas pessoas ainda param para ler um livro físico, para namorar, conversar enfim; viver.

Estamos constantemente plugados que muitas vezes nem notamos que estamos perdendo o melhor de nossas vidas a cada dia.

Não nego que tenho medo de nosso futuro e do que a tecnologia pode fazer em nossas vidas, pois ela agrega sim muitas coisas boas, mas as coisas ruins estão aí também. É só nos paramos e olharmos para frente que enxergaremos a verdade; preto no branco.

Espero que algum dia todos vocês; leitores do RT parem e leiam esse livro, reflitam sobre suas vidas, tecnologias, o que estamos ganhando e perdendo a cada dia. E que ele nos ajude a melhorar e a viver as coisas boas do dia a dia, antes que seja tarde demais!

Até a próxima galera! Mil desculpas se a resenha ficou bugada, mas estou realmente enferrujada, mas prometo que as próximas serão melhores!

Bjss, Nay =D