As Cordas Mágicas

Título: As Cordas Mágicas
Páginas: 352
Autor: Mitch Albom
Ano: 2016
Editora: Arqueiro(cortesia da mesma)
Compre: Submarino Americanas - Saraiva 
Adicionem: Skoob
Sinopse: Francisco Presto nasceu numa pequena cidade da Espanha em plena guerra civil. Com a infância marcada por tragédias, Frankie se torna pupilo de um professor de música cego, que se dedica a lhe ensinar tudo o que sabe. Ao completar 9 anos, ele foge para os Estados Unidos carregando consigo apenas seus bens mais preciosos: um violão e seis cordas mágicas. Com um talento fora do comum para tocar e cantar, Frankie rapidamente alcança o estrelato e influencia o cenário musical do século XX, apresentando-se ao lado de nomes consagrados como Elvis Presley e Little Richards. No entanto, seu dom se transforma em um terrível fardo quando ele percebe que pode afetar o futuro das pessoas: uma corda de seu violão fica azul cada vez que uma vida é alterada. No auge do sucesso, assombrado por seus erros e por seu estranho poder, Frankie sai de cena por anos, apenas para ressurgir para um espetacular e misterioso adeus.



 Oie Pessoal! Tudo bem com vocês?

Hoje trago a resenha desse livro que se tornou muito especial para mim, ainda mais por se tratar sobre música! (já notaram que ando trazendo bastantes livros com esse tema?) Espero que gostem!

Desde o lançamento desse livro As Cordas Mágicas, eu sabia bem lá no fundo que amaria a história que existiria na obra, não li a sinopse, fugi de todas as resenhas que saíram sobre e aguardei ansiosamente pela chegada dele na minha casa.

Mas adivinhem? Parece que o destino não estava a fim de conspirar ao meu favor e no dia que recebi os livros solicitados da Editora Arqueiro o meu tão esperado e já amado As Cordas Mágicas não veio! 

Pensem em alguém que surtou e não sabia o que fazer? Para começar o livro que veio no lugar eu nunca havia lido na vida, e para acabar ele era o terceiro de uma trilogia, ou seja, eu ia ficar boiando e cheio de Spoiler caso o lesse.

Por isso, tirando uma coragem insana (risos) fui pedir o que fazer para a porta voz da editora responsável pela parceria com o RT, e graças a Deus ela me deu um ótimo conselho e ainda por cima me enviou o livro que eu tanto queria ler nessa remessa do mês de fevereiro!

Quando ele chegou juntamente com os dois primeiros volumes do quarteto de livros da Julia Quinn eu surtei, eram três livros maravilhosos ao mesmo tempo para uma leitora tão louca e apaixonada como eu! (risos)

E todos tratando sobre a música, pensem em alguém que surtou novamente, mas dessa vez num bom sentido? (euzinhaaa aqui! o/) (risos)

Como eu havia fugido de qualquer resenha ou comentário que fosse sobre os três livros, tive uma ótima leitura com todos os três e grandes ensinamentos, li primeiro os da Julia Quinn e por último As Cordas Mágicas.

Não sabia o que esperar da história, mas acredito (tenho absoluta certeza) que fui com muita sede ao pote, ou melhor, ao livro e acabei me desanimando no inicio da leitura.

Já havia formando uma história que comporia essa obra na minha cabeça, e quando realizei a leitura encontrei outra coisa completamente diferente, mas tão perfeita quanto!

As Cordas Mágicas conta a história de Frankie Presto, que antes de chegar ao sucesso estrondoso de sua carreira, passou por poucas e boas em sua juventude e infância.

Essa parte em especifica me surpreendeu bastante, pois eu jurava que o livro iria direto ao ponto, ao porque de o garoto ter aquele violão mágico, mas para a minha surpresa nossa querida narradora e amada Música, nos contou desde o inicio toda a história do Frankie.

O que para mim já estava completamente traçado e perfeito, se tornou mais maravilhosos ainda no decorrer da leitura, posso ter desanimado um pouco com a história de cara, por esperar algo e receber outra coisa.

Mas com o decorrer da narrativa, fomos conhecendo a vida do Frankie, fomos enxergando e imaginando o quão difícil era a vida das pessoas que estavam em plena Guerra Civil em seu país.

Como crescer, amadurecer e começar a enxergar o mundo com o risco iminente da morte, das ameaças do exercito e viver escondendo seus dons para que nada de mal pudesse lhe acontecer, não é fácil e não foi fácil nem mesmo para Frankie.

A narrativa da Música ora oscila no presente onde está acontecendo o funeral do Frankie, ora está no passado contando tudo pelo o que o cara passou para chegar aonde chegou (não no caixão galera, mas na fama ok?) (risos)

Foi uma experiência diferente, principalmente pela narrativa, ela era rápida e lenta ao mesmo tempo, nos passava todos os sentimentos e emoções propostas pelo autor e ainda mais.

Muitas vezes me peguei sorrindo quando a Música citava alguns músicos famosos com os quais Frankie trabalhou, ora batia a tristeza por ver a realidade impregnada nas páginas do livro.

Quantas e quantas vezes já ouvi, ou até mesmo vocês já ouviram que a música não levava a lugar nenhum? Quantas vezes já fomos menosprezados pelos nossos talentos?

Como a Música mesmo citou, ela já viu muito talento sendo desperdiçado por causa da falta de apoio dos outros! E infelizmente isso é a nossa realidade, sempre foi desde que o mundo foi criado, e sinceramente não vejo a hora que isso mude!

Mas voltando para a história do Frankie, ele desde bebê sofreu muito, passou por maus bocados e acabou sendo adotado por um homem, que lhe deu amor, carinho, um lar e principalmente lhe pagou suas aulas de violão.

O garoto aprendia rápido, notavas-se que ele era ávido por aprender e conhecer tudo que envolvia seu instrumento preferido, mas sempre escondido dos militares.

Aos noves anos, Frankie fugiu para os Estados Unidos da América, e lá passou por mais necessidade ainda, mas aprendeu a contornar tudo, a lutar pelo o que amava e no fim conheceu grandes nomes da música.

Não posso negar para vocês que prestei mais atenção ao que a Música nossa narradora nos contava e apresentava, do que na vida do Frankie.

Tirei muitas lições desse livro, e amei mais ainda conhecer o porquê que aquele violão mágico foi dado ao nosso personagem principal. Seis cordas azuis, seis vidas que ele poderia mudar, não parece, mas foi um fardo bem grande que ele carregou em suas costas e não é de se admirar que ele tenha sumido por um tempo...

A Música foi uma narradora perfeita, como eu disse foquei mais nela, no que ela contava que na história do Frankie em si, pois assim tive uma visão mais ampla, onde eu veria as emoções do personagem principal por ele mesmo contando, ou sendo contado por alguém que conhecia, olhando pela visão da narradora presencie uma emoção muito forte.

Como um orgulho de mãe, ela falava do nosso personagem principal como se fosse um filho dela, um filho único, e não um dentre muitos.

A coisa mais linda que encontrei nesse livro, tirando a superação pessoal do Frankie e de tudo que ele passou na vida, foi como o autor colocou em palavras como as pessoas escolhiam seus dons ao nascer.
“Vou contar um segredo: é assim que os talentos são concedidos. Antes de os recém-nascidos abrirem os olhos, fazemos um círculo ao redor deles, aparecendo como cores brilhantes, e, quando fecham as mãozinhas pela primeira vez, na verdade estão agarrando as cores que acharam mais atraentes. Aqueles talentos ficam com eles pela vida toda.”
Outra coisa que também me tocou, foi encontrar uma frase que definiu com todas as palavras o que eu acredito que a música seja, quem toca algum instrumento, ou somente quem escuta uma boa música sabe que quando fazemos isso nossos corpos são cobertos por uma paz interior, podemos adentrar em nossos pensamentos, conhecer ou esconder nossas emoções mais obscuras e a Música me presenteou com essa frase que definiu perfeitamente o que eu falei acima:
“A verdade é luz. Mentiras são Sombras. A Música é Ambas.”
Pois, é a partir da música que mostramos quem realmente somos, o que sentimos, o que pensamos e no que acreditamos, ela gira ao nosso redor, não podemos tocar, mas podemos sentir. 
Música é Vida!
Enfim, foi um livro surpreendente para mim, tocante. Mostrou-me novamente que se queremos algo podemos conseguir, basta lutarmos por isso.

O Sucesso como pensamos não vem da noite para o dia, temos que batalhar pelo nosso cantinho ao Sol, trabalhar dia e noite, ensaiar sem descanso, para chegarmos ao topo da pirâmide.

Tirem a história do Frankie como base para suas vidas, parece que eu falando estou sendo repetitiva, falando algo que está na cara para todos, mas para alguns falta um empurrãozinho para que haja a diferença!

Ás vezes o que acreditamos que é o essencial para a vida de alguém, não é o essencial para ela, ou até mesmo quando menos achamos, tem alguém nos cuidando, cuidando nossos passos. Mas às vezes isso não é bom, Frankie quem o diga!

Enfim, espero que tenham gostado dessa indicação, eu amo música e livros, e só agora estou trazendo essa parte minha para vocês, espero que não se importem!

E acima de tudo, tiram boas morais e aprendizagem com a dona Música, que se mostrou ser melhor que qualquer outro narrador!

Até a próxima galera!

Bjss, Nay =D