Projeto Poetas Urbanos: Vitor Jesus de Oliveira

Oie pessoal! Hoje apresento para vocês o último Poeta participante do Projeto Poetas Urbanos! Espero que tenham gostado! =D


Vitor Jesus de Oliveira - 18 anos - Osasco/SP - Poesias de um Sábado qualquer - Fanpage

Nosso primeiro questionamento para o Poeta é desde quando ele escreve e Vitor nos responde:

"Comecei a escrever após alguns amigos que compraram uns violões e me pediram para ajudar a escrever musicas. Isso foi exatamente em janeiro de 2015. (não escrevia frequentemente pois não sei tocar violão). Eu me sentia muito preso escrevendo musicas pois o meio tinha que começar com o começo e eu não conseguia me expressar tão bem.Me descobri na poesia em dezembro de 2015, após mostrar uma letra e um áudio para minha irma de uma musica que eu tinha escrito. Ela disse que parecia uma poesia e me desafiou a escrever uma poesia sobre o ambiente em que nós estávamos (era dentro do metro). Desde então escrevo todos os dias."

 Questionamos então o que o levou a escrever:
"De inicio foi os meus amigos pedindo ajuda com musicas, e depois foi o desejo de me conhecer. - começa o poeta - Antes da poesia entrar na minha vida eu era preso em mim mesmo, não me conhecia nem um pouco. Era extremamente instável emocionalmente e nunca sabia explicar o que sentia. - continua ele Vitor - Logo após de escrever as minhas primeiras  poesias comecei a querer descobrir cada dia mais aquilo que eu sentia e o que me fazia sofrer tanto. A poesia me salvou de mim mesmo - completa ele."
Perguntamos então o porque do nome da página:
"O nome veio após passar um sábado todo dentro do meu quarto escrevendo e escutando musica - responde Vitor."

Questionamos então o que o leva a continuar escrevendo e o Poeta nos responde:
"Creio que escrever já é tao automático como respirar. Sinto que sem escrever eu não conseguiria chegar muito longe." 











Perguntamos então de onde vinham suas inspirações e Vitor responde:
"Acho que tudo, me inspiro em coisas simples, como prédios, nomes de pessoas, frases que escuto no ônibus. Não gosto de escrever só sobre meus sentimentos, gosto muito de pegar a felicidade e as tristezas de todos ao meu redor e transformar em algo."
Questionamos então se ele já havia pensando em lançar um livro:
"Sim, meu maior desejo é poder ganhar a vida escrevendo e publicando livros - responde ele."














Por fim perguntamos como ele se sentia depois de escrever e Vitor responde:
"Depois que escrevo é como tudo o que fui não significasse mais nada antes daquela poesia/texto é como se eu nascesse em cada verso novo que escrevo." 
Espero que tenham gostado do Artigo de hoje, e abaixo deixo o material do inédito cedido para o RT!

Inédito: 

"Joguei nosso amor no cimento só pra ele virar concreto."