Charlotte Sometimes

Título: Charlotte Sometimes
Páginas: 14
Autor: Fábio Fernandes
Ano: 2013
Editora: Draco
Adicionem: Skoob
Comprem: Amazon 
Sinopse: Conto do autor veterano de ficção científica Fábio Fernandes, originalmente publicado em “Interface com o Vampiro”. Um homem, uma noite, um bar. O que ele faz ali? Entre os vapores do gelo seco e as névoas da amnésia, Júlio busca uma resposta para tantas dúvidas que o assombram. Mas ele pode não gostar do que vai encontrar entre os escombros da sua memória – ou será a memória de outra pessoa? 





Oie pessoal! Tudo bem com vocês?

Hoje trago mais uma resenha escrita pela Lorena da Rocha, espero que gostem da dica dela! =D

Ao julgar pela fonte e cores usadas na capa, acreditei que fosse um conto feliz, chegando até a ser infantil. Porém, me enganei.

O conto inicia nos mostrando Júlio, descrevendo o local onde ele está – mas não conhece. Não de cara. Júlio percebe que está sonhando, então, naturalmente, deveria acordar. 

Isso acontece de forma muito simples, numa lógica explicada no conto: quando se está sonhando e se toma consciência disso, logo você deve acordar, pois já sabe que está dormindo.

Só que Júlio não consegue acordar, não consegue sair daquele local que conhece tão bem. Não consegue se livrar daquelas pessoas que também conhece tão bem. Somos induzidos a sentir a mesma agonia que ele: estar preso em um local sem conseguir sair, não importa o esforço. 

Se fosse essa a intenção do autor, ele conseguiu. Durante a leitura senti um certo incômodo (não do tipo ruim, do tipo quando você se identifica com o personagem). Por ser curto, logo o grande mistério é resolvido. Não sem antes nos mostrar que, na verdade, aquilo não era um sonho. Não de Júlio.

Achei a narrativa muito bem descritiva, mostrando pontos que não julgo serem necessários, mas que trazem um alívio para os mais curiosos. Aos que gostam de muito mistério, de pontas soltas e de resolver o mistério por si só: eu não indicaria. 

O conto faz tudo isso por você. É criado um suspense, sim, mas na hora de finalizar, tudo é entregue – o que não deixa de fazer com que a obra seja bem escrita. 

Não entrou para os favoritos, mas é um bom conto. Bom para passar o tempo, para "desopilar" das outras leituras.

Espero que tenham gostado!

Até a próxima, 

Bjss, Nay e Lorena =D