Quintologia Fatal Frame (parte 1): Fotografando fantasmas

Game: Fatal Frame
Data de lançamento: 13 de dezembro de 2001
Console: PlayStation 2, PlayStation 3, Xbox
Desenvolvedor: Tecmo
Distribuidora: Tecmo Entertainment
Classificação etária: Teen (13+)
Número de jogadores: 1
Gênero: Survival horror / Aventura

Sinopse: O aspirante a jornalista Mafuyu Hinasaki, decide ir investigar a Mansão Himuro, diz-se que é mal assombrado, a fim de procurar o renomado novelista Junsei Takamine, que desaparece dentro da mansão. Mafuyu leva consigo a câmera obscura, herança que possui da sua mãe, que é capaz de mostrar o que os olhos não podem ver, porém a presença de Mafuyu desperta os espíritos que lá viviam e morreram.
Ao não retorno de Mafuyu, faz com que sua irmã mais nova Miku Hinasaki, vá até a Mansão Himuro atrás do irmão. Ao adentrar a mansão Miku presente os espíritos presentes lá, encontrando a câmera que Mafuyu tinha levado, Miku decide ir mais fundo na mansão no desejo de socorrer o irmão. Mas lá ela descobre que havia rituais de sacrifícios, um horrível ritual de estrangulamento, que deu errado e acabou matando os que ali viviam.






ANÁLISE

Introdução:

E aí, jogadores(as) e leitores(as)?! Eu sou Éverton, e hoje vamos comentar sobre o primeiro game da série de jogos, dominada “Fatal Frame”. (Uma das minhas grandes paixões como jogo). Jogo na qual, vem do outro lado do mundo, do nosso querido Japão.


A série de jogos “Fatal Frame” ou “Project Zero”, como é conhecida na Europa, ou “Zero” no Japão, nasceu no ano de 2001, para o console Playstation 2. O game foi um tremendo sucesso, principalmente no seu país de origem.

O grande motivo suspeito para talvez ser um grande sucesso, é a história dentro dela. Os vários costumes e crenças japonesas que estão inseridas no enredo. 







E como não se apaixonar logo de cara com o primeiro game da série, na qual, foi baseado em uma história real japonesa (ou não), onde conta a história sobre os rumores e da lenda da Mansão Himuro.

Enredo:

No primeiro capítulo do jogo (com o nome Himuro - Intro), o jogador controla o personagem “Mafuyu”. O personagem resolve ir procurar por Junsei Takamine, um famoso novelista que desaparecerá em uma mansão enquanto fazia uma pesquisa. Aspirante ao jornalismo, ele descobre o local da tal mansão, e resolve investigá-la, junto com uma herança de sua mãe: uma câmera especial.

A câmera especial chamada “Câmera Obscura”, possuía a habilidade de capturar o que não deveria existir. Quando ele entra na mansão procurando pelo novelista, ele logo descobre que não está sozinho, afinal, sempre via o que outras pessoas não viam.

Duas semanas passadas depois do desaparecimento do irmão, Miku resolve procurar pelo irmão. Através das anotações próprias dele, ela descobre o local para onde ele havia ido antes de desaparecer. O segundo capítulo (chamado THE STRANGLING RITUAL - 1st NIGHT) começa com o controle da personagem Miku.
         
Andando um pouquinho pela mansão, ela encontra a câmera de sua mãe. Ao toca-la, ela sente uma forte visão de seu irmão. Assim como o irmão, Miku também via coisas que outros não viam. Com a Câmera Obscura, ela começa a investigar a mansão, e descobre o passado horrendo que aquele local escondia.

Gameplay

Batalha:
         
O jogo possui uma mecânica diferente para enfrentar os inimigos (no caso fantasmas). A câmera Obscura possui a habilidade de exorcizar os fantasmas. Quando um fantasma aparecer, o jogador deve apertar o botão que o personagem pega a câmera, e deve tirar fotos do fantasma. A câmera fica na tela inteira, como se nós tivéssemos enfrentando.
         
A câmera funciona como uma arma contra fantasmas. Porém, em vez de coletar balas como em jogos de tiro, o jogador deve coletar filmes para usar. No primeiro jogo, os filmes são dos Types (Tipos): 14 (mais comum), 37, 74 e 90 (mais raros). Quanto maior o número, mais forte ela é contra os fantasmas.





























Quando apertado o botão da câmera e o fantasma querendo enfrentar, vários símbolos japoneses irão se preenchendo na barra da câmera. Quanto mais perto da personagem, mais dano será tirado do inimigo. Uma habilidade interessante da câmera é o “Zero Shot”. Quando o fantasma estiver quase pegando a personagem, os símbolos japoneses ficaram vermelho indicando “Zero shot” e consequentemente dando mais danos no fantasma.
         
O game também vai dando durante o avanço da história, “Lentes” e “funções” para a câmera. Dependendo da lente ou função coletado, ela dará alguma habilidade nova para a câmera. E a câmera ainda possui a parte de “Upgrades”, onde você pode ir comprando atualizações para lentes ou funções já da câmera para ficarem mais fortes.
         
Tirado uma foto de um fantasma, é tirado o seu dano, mas, consequentemente é lhe dado pontos. Esses pontos são usados como um “dinheiro” para a parte de “Upgrades”.

Indicador:

No canto da tela, é mostrado um indicador. Quando esse indicador estiver azul, significa que você terá que tirar uma foto, já que essa foto será para lhe ajudar em um quebra-cabeça. Ou simplesmente será foto de um fantasma escondido, afim de lhe dar pontos extras.
         
Porém, quando o indicador estiver vermelho, significa que é um fantasma querendo enfrentar o jogador. O indicador também está na câmera (tanto quando em azul ou em vermelho) para lhe mostra onde o fantasma se localiza, já que fantasmas desaparecem e reaparecem.

Itens:
         
No jogo, os itens variam entre os filmes, a câmera, lanterna, arquivos e anotações da história da mansão, e itens de cura. Os itens de cura são: Herbal Medicine, Sacred water, e Mirror stone.O Herbal Medicine é o mais comum e recupera metade da vida (dependendo da dificuldade do jogo).

Já sacred water recupera toda a vida, enquanto Mirror stone, quando sua vida acabar, ele te “traz a vida de volta”, sendo possível carregar um só no inventário. Os arquivos e anotações da mansão contaram além da história da mansão e das pessoas de lá, dicas para passar por algum quebra-cabeça.

Baseado em uma história real?

A capa e o menu do próprio jogo, diz que o primeiro jogo é baseado em uma história real. Há vários sites pela internet brasileira contando a história “real” do jogo (chegando ser quase uma cópia um do outro).
        
Porém, de acordo com o site e canal do youtube AssombradO.com.br, isso é uma grande mentira. O dono do site pesquisou afundo sobre a história real, através de um amigo que morou no Japão por um longo tempo. Mas, o amigo não encontrou nada sobre a Mansão Himuro nos sites japoneses.
        
A única coisa encontrada sobre a história, foi a do próprio jogo. Além de um site japonês comentando sobre um site americano falando sobre a história “real” do jogo, que alguém havia escrito, e que os americanos acreditavam nela. Então, o canal concluiu que isso era uma mentira.





























O canal ainda concluiu que poderia ter acontecido três possibilidades para esse mal entendido. A primeira era que poderia ser que o pessoal dos games americanos tenha entendido errado a tradução do jogo, e entenderam que era baseado em uma história real.
        
A segunda possibilidade seria que fora uma tentativa do Marketing americano para vender mais o jogo. E a última, seria que fora causado essa confusão graças ao site americano afirmando a história do “real” do jogo, e que alguns jogadores acreditaram nela e espalharam.
        
(Se você quiser saber mais sobre esse mal entendido, é só clicar aqui para ir no vídeo do AssombradO.com.br que explica bem sobre esse texto acima).

Filme:

Em 2014, foi lançado no Japão, um filme chamado “Gekijô-ban: Zero”. O filme não foi baseado no jogo, e sim, no livro “Fatal Frame: A curse Affecting Only Girls” (O livro foi inspirado na franquia do jogo).

A história do filme conta sobre o sumiço de uma garota popular chamada Aya. Em seu colégio interno feminino do Japão, a garota não saiu mais de seu quarto, e outras alunas começaram a desaparecer.

Com os rumores de que algumas alunas dizendo que viram o fantasma de Aya, surgiu a lenda de que havia alguma maldição envolvendo ela. Então, Michi, a sua melhor amiga, decide descobrir o que está acontecendo.









Conclusão:

Fatal Frame é simplesmente um ótimo jogo. O jogo possui mecânicas diferente, além de um excelente enredo trágico. A música também não fica para trás, já que é de uma ótima banda japonesa.
         
O fato é que Fatal Frame é um jogo único. Os sustos e nervosismo deixam qualquer pessoa em aflito contra os fantasmas. Os personagens são cativantes e especiais, o que faz ficar curioso e aflito, a quem acompanha sua história.
        
O motivo do jogo ter tido mais quatro jogos consecutivos, não seria a toa. Já que a cada novo jogo, novas experiências diferentes são acrescentadas. Além, de ligações e esclarecimentos entre as histórias em sua sequência (principalmente nos três primeiros), a música, a mecânica, e a originalidade, é o que fazem o jogador se apaixonar por essa série de jogos.

(Em breve, a parte dois desse post, contando sobre o segundo jogo).
~Help-me~

11 comentários:

  1. Olá, tudo bem?

    Eu não lembrava do nome, mas já cheguei a jogar isso aí. Morria de medo dos fantasmas aparecerem, rs.

    Mas não sabia que se tratava de uma quintologia, tampouco que há um filme dele.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. oie,
    Desde criança sou péssima em videogames e na verdade nem tenho na minha casa. Por isso não poderei conferir o jogo na íntegra! Apesar disso gostei da história do jogo e acho que ela é bem macabra, dessas que dá medo mesmo! O gráfico parece ser muito bom também!
    Beijos
    Blog Relicário de Papel

    ResponderExcluir
  3. Oi tudo bem?
    Não conhecia o jogo por ora eu nem jogo nenhum hahaha. Que história mais assustadora em? Por o motivo de não ter nenhum vídeo game em casa dessa vez passo a dica.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Éverton,
    Gosto de games, mas tenho deixado a desejar nesse capo.
    Não conhecia esse jogo e talvez eu até jogasse ele, mas me pelo de medo dessas coisas envolvendo um terror e mistério. Acho que o mais pesado que já joguei foi F.E.A.R 2, entre um susto e outro consegui zera. kkkk
    Se eu voltar a jogar mais vídeo game com certeza esse estará na lista.

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bem? Gente, eu amo videogame e terror, como que eu n conhecia isso??? Melhor, tem um filme!!! Chgar em casa e procurar sim ou com certeza? Confesso que não sou lá fã das histórias de terror baseadas na cultura japonesa, tirando os clássicos, mas qe custa tentar? Se é assustafor eu to dentro! Ahhh.. foi tudo tão explicadinho que deu até vontade. Bjosssss

    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir
  6. Olá...
    Fico feliz que tenha curtido o jogo, mas, como não curto muito esse tipo de coisa, prefiro passar a dica, maaaaaas, tenho um monte de primos que curtem games, então, já vou enviar o link desse post para eles.
    Beijinhos <3

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?
    Adorei seu post! Eu não sou muito ligada em jogos e não tenho vontade de jogar, mas entendo o fascínio de gammers. Fiquei muito intrigada com a parte de ser baseada em fatos reais, pois parece ser assustados pra caramba.
    Vou falar pro meu irmão jogar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Éverton! Eu também adoro games, mas se você visse quais são meus vícios seria capaz de rir de mim. Eu jogo bastante (e não tenho vergonha de admitir) The Sims 3, é meu favoritinho ever. Não sou muito fã de jogos de terror, acho que eu ficaria com mais medo do que atenta aos personagens. Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Só de olhar os gráficos já fiquei com medinho e não jogaria. Mas vou indicar para os amigos que curtem esse tipo de game.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oiee
    Acho muito legal posts voltados para games assim, gosto bastante, mas infelizmente não é a minha área.
    Esse jogo jamais jogaria na minha vida hahaha pensa numa pessoa medrosa, de fato sou eu, mas muito obrigada pela indicação!

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Gosto bastante de games, mas esse não me interessou haha.
    Sou muito medroso e tenho certeza que passaria boas noites de sono em claro, caso jogasse kk.
    Dessa vez passo a indicação.

    Adorei o post e o blog.
    Beijão!
    https://bloggmundodoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir